Chegamos em 2022...

📢     Ouça também este artigo na voz da autora.

Chegamos em 2022...

E, olhando para trás, percebemos que os anos de 2020 e 2021 foram muito estranhos!

Ficamos em casa em 2020 e, às vezes sim, às vezes não, em 2021...

Trabalhamos em homeoffice o tempo todo ou, às vezes, em casa, às vezes, no serviço...

Alguns perderam seus empregos, outros tiveram seus salários diminuídos...

Ficamos muito tempo com a nossa família e nos demos a oportunidade de descobrir quem somos e com quem estávamos dividindo a nossa vida...

... a ponto de tudo isso, no princípio, nos trazer desconforto e medo.

Pensamos, no início, que não daríamos conta, mas Deus nos deu os momentos de silêncio entre uma trovoada e outra para acalmarmos o nosso coração e percebermos as escolhas que fizemos antes de tudo isso.

Quantos de nós se abriu "sem máscaras" para perceber as suas ações e reações, se surpreendendo com o que viu e sentiu?

Quantos de nós se dedicou ao outro durante estes anos? Tenha sido ele um familiar que há muito tempo precisava de nossa atenção e não tínhamos tempo para perceber, tenha sido um estranho que nós, compreendendo o momento em que todos vivemos, percebemos que ele precisava de nossa atenção e, portanto, fomos além de nós mesmos e o ajudamos com toda a nossa dedicação.

Mas, ainda vejo que, para muitos, o que estes mais querem é que tudo isso se vá, a ponto de dizerem que esses anos nem contaram porque não os vivemos. Essa fala e pensamento são uma ilusão, porque os vivemos e os vivemos muito.

Vivemos (e ainda viveremos) momentos tristes, de desespero, mas também de felicidade, de autoconhecimento, de autoamor, porque estamos nos dando o direito de sentir os tormentos e as alegrias que estavam dormentes em nós e, como nós, em seres que estavam sobrevivendo e não vivendo.

Precisamos tomar consciência que para que saiamos desta correnteza pandêmica, desta espada sobre as nossas cabeças, será necessária a ação de cada um de nós para que possamos abandonar as máscaras que nos sufocam e nos mostram que não podemos abandonar as nossas responsabilidades diante do todo.

Adeus anos velhos, Feliz ano novo...

Ano a ano vamos aprendendo um pouquinho mais sobre a vida, sobre quem somos, sobre quem é Deus em nós e, também, quem é Jesus no nosso caminhar. Vamos aprendendo que não detemos todos os “poderes” do mundo, porque não controlamos adequadamente nem a nossa vida, mas, mesmo assim, é somente dela que temos algum domínio.

Estes anos de 2020 e 2021 foram um milagre para muitos, porque, com olhos para ver, mentes para raciocinar e corações para sentir, enxergamos a nossa fortaleza interior diante das intempéries deste momento pandêmico e, somente por isso, já deveríamos nos parabenizar e compreender o quanto estamos nos superando como filhos do Altíssimo.  

Não acreditemos que tudo o que passamos teria que ser, categoricamente, da forma que foi. Claro que algumas coisas chegaram e nos tomaram de forma avassaladora, mas todo o nosso estado de espírito para enfrentarmos esse momento só dependeu e dependerá de nós. Fortaleçamo-nos para continuarmos nesta caminhada e auxiliemos aqueles que nos parecem mais enfraquecidos diante de suas lições de vida.

Abandonemos a ansiedade e abracemos a responsabilidade para que o pouco do que podemos fazer, seja suficiente para amenizarmos a nossa dor e a do nosso próximo.

Que Jesus nos abençoe para fazermos deste novo ano algo melhor do que foi os anteriores que tiveram o seu papel de importância para sermos quem estamos ao vivenciarmos este ano novo que se iniciará.

Lembrem-se que, na vida, muita coisa não depende de nós, mas tudo o que somos e temos em nosso ser é de nosso domínio e escolha.

FELIZ 2022!! 

 **  Imagem extraída de Freepik

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário que responderei assim que puder.
Abraços fraternos.

My Instagram

Copyright © Adriana Machado - Escritora. Made with by OddThemes