Queremos ter saúde, mas sabemos conquistá-la?


Quero começar perguntando para todos que estão a ler esse artigo: o que é ter saúde para você?

Para mim, ter saúde é estar saudável. Expliquei nada, não é?

Estar saudável, da forma leiga de ver, é não perceber no meu corpo físico nenhuma mazela ou doença que me traga dor ou sofrimento. Enquanto não enxergo nada parecido com isso, penso estar sã.

Mas, será que estou saudável somente pelo fato de não me ver doente?

Essa pandemia me fez enxergar que muitos de nós tememos contrair a doença do Covid-19, mas nos esquecemos que outras doenças até mais mortais, estão nos envolvendo dia após dia.

Estamos em casa há quase meio ano (ou será que é mais?), alguns muito bem com esta situação, outros, nem tanto, mas a vida continua. E se continua, não podemos nos acomodar no sofá de nossa casa.

Não estou aqui defendendo que todos devemos sair de casa e ignorar o momento em que vivemos, mas, que precisamos lembrar que, mesmo em casa, necessitamos perceber que não há como ignorar que ainda estamos sobre a influência da vida e seus reflexos e, se não nos apercebermos, estados doentios podem ser adquiridos, sejam eles físicos, psicológicos ou espirituais.

Começo pelas doenças físicas, porque vivo num corpo material que me abriga e protege, que me dá todas as oportunidades para um aprender mais seguro, mas que também necessita de cuidados.

Se eu sou ou não uma pessoa portadora de uma doença pré-existente ao Covid-19, não posso dar às costas à minha saúde, devendo ir ou voltar aos médicos para os check-ups necessários. Muitos de nós estamos deixando de buscar tais profissionais com medo de morrer pela “doença da vez”, esquecendo que podemos morrer ou adquirir mazelas da doença que já portamos. Outros de nós, que faziam consultas preventivas ou reguladoras, também deixaram de ir.

No início da pandemia, esse comportamento era o mais acertado, porém, depois de tanto tempo e sem data para a cura desta doença, é necessário se perguntar se as datas de retorno já não foram em muito ultrapassadas a ponto de ser imprudência esperarmos mais um pouco!

Não podemos ignorar os pedidos de socorro que o nosso organismo nos revela, devendo ficar atentos aos avisos dele. Se físicas são as doenças, necessária a atitude prescrita pela medicina terrena para a prevenção ou cura delas.

Segundo, apesar de entender que as mazelas psicológicas estão ligadas às espirituais, farei uma divisão das duas para uma melhor reflexão.

Ao me referir a doenças psicológicas, não estou somente me referindo às que já portávamos, mas também àquelas que estamos adquirindo ou nos curando, no curso desta nova jornada.

Vimos com essa pandemia que:

    1)  muitos pais ou casais se desesperaram por acreditarem que não aguentariam ficar com a sua família reunida por “tanto tempo” dentro do seu próprio lar;

    2)  que muitas pessoas ficaram contrariadas por terem a certeza de que não ter o contato social com amigos e familiares seria um desafio terrível;

    3) dentre outras reações...

Tudo isso nós vimos, mas isso tudo está sendo superado? Por alguns, sim. Por outros, ainda não.

Se tantos medos vamos abraçando concretamente, a tal doença psicológica afeta os nossos sentimentos dos mais superficiais até os mais profundos; vai nos colocando cada vez mais enfraquecidos diante das experiências em razão das crenças que vamos abraçando. Mas, o que estamos fazendo para nos curar? Talvez, nada. Talvez, muita coisa.

Se algo pode ser feito, é certo afirmar que a vida está nos dando uma oportunidade, porque, ao termos sido expulsos da nossa vida rotineira, angariamos tempo ou uma nova rotina que nos colocou frente a alguns de nossos medos mais antigos e, muitos deles, foram exatamente esses que acabei de enumerar.

Vocês estão confusos? Eu explico: somente o fato de não acreditarmos que daríamos conta de situações como essas, nos faz refletir sobre o porquê de termos de vivenciar esse momento em nossa vida, senão vejamos:

    1)  o quanto não estávamos evitando vivenciar essas mesmas situações a cada dia do nosso viver?

    2) por que estávamos mergulhando às cegas na rotina que nos afastava de nosso lar, das pessoas que amávamos, dos prazeres simples que somente aqueles que nos amam podem nos proporcionar?

    3) por que acreditávamos que seria difícil compartilhar o nosso tempo com o companheiro ou companheira com quem escolhemos viver?

    4) por que acreditávamos que não daríamos conta de nossos filhos, se eles estão conosco desde que nasceram e os amamos?

E, por fim, uma última pergunta: será que, antes disso tudo acontecer, estávamos evitando quem amamos ou a nós mesmos?

É fato notório que muitos de nós, antes da pandemia, estávamos usando da rotina diária para vivermos, e não para vivenciarmos o nosso próprio Eu.

Não parávamos nem um segundo para analisar:

    1) quem realmente nos tornamos,

    2) quais as conquistas íntimas adquiridas,

    3) como poderíamos nos virar diante de situações que fogem ao nosso controle,

    4) o sentimento que pulsa dolorosamente em nosso íntimo, fazendo-nos tentar pará-lo com um trabalho de doze horas diárias, desordenado e intenso; com bens materiais perecíveis e efêmeros; com um viver voltado ao externo e não ao interno.

Essa doença psicológica que já demonstrava a sua presença em nossa vida e que agora nos toma por inteiro, fazendo-nos acreditar que jamais conseguiríamos preencher o vazio que sentimos, está à nossa frente porque todas as ferramentas que usávamos para ignorá-la, foram retiradas abruptamente de nosso poder.

Ela é tão danosa que, mesmo na antiga rotina de tentarmos ignorar as nossas dores, já víamos o seu rastro, quando, muitos jovens e adultos, crianças até, escolhiam uma saída terrível, por demais dolorosa para quem ficava, por não se acreditarem capazes de enfrentá-la.

Daí, vemos a sua relação com a tal doença espiritual, que nos leva a estados da alma mais nefastos. Pior ainda, quando não percebemos que o outro estado (físico) já está sendo influenciado intensamente, fazendo-nos doentes na alma e na matéria, nos perdendo de nós mesmos. Perdendo-nos, não temos o porquê achar que merecemos a cura.

Mas, não há dúvidas que todos nós queremos ter saúde, só não agimos com atenção e autoamor suficientes para vermos os caminhos aflitivos aos quais nos submetemos, somente pelo fato de ainda acharmos que devemos enxergar a vida pelo os olhos da matéria e não pelo que sentimos em nosso ser (olhos da alma).

Por isso, somente depois de um período onde ficamos submetidos ao afastamento social, percebemos que “há males que vem para o bem”, porque ele está nos dando uma notável oportunidade de perceber o que existe nos recôncavos de nosso ser e o que podemos fazer em prol de nossas necessidades, sejam elas internas ou externas, por nós ou por aqueles que amamos.

Se desejamos estar saudáveis, precisamos entender que muitas de nossas mazelas são silenciosas e, para as flagrarmos, precisaremos estar atentos, vigilantes e jamais nos descuidarmos de nós, fortalecendo-nos com o alimento da alma e do físico, valorizando-nos nas pequenas conquistas dos tesouros espirituais e materiais angariados.

Assim, conquistaremos a nossa saúde, porque num mundo onde matéria e espírito vivem, não podemos deixar nenhum dos dois desamparados.



Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário que responderei assim que puder.
Abraços fraternos.

My Instagram

Copyright © Adriana Machado - Escritora. Made with by OddThemes