Silêncio, instrumento de libertação


Nós, seres humanos, principalmente do Ocidente, não somos acostumados com o silêncio e quando nos deparamos com ele, buscamos qualquer coisa para fazer para não nos “entediarmos”.

Ouvimos rádio, lemos livros, entramos nas redes sociais, conversamos com alguém ao nosso lado... tudo para não ficarmos sozinhos com alguém que é muito especial para nós, mas que está sendo colocado de lado dia a dia: o nosso Eu interior.

Quem de vocês hoje se deu bom dia? Sim, se deu bom dia! Não estou dizendo dar um bom dia e ser grato pela vida, pelo sol, pelo trabalho, por Jesus... estou perguntando quem deu bom dia para si mesmo e se desejou um ótimo dia de grandes aprendizados?

Parece redundância quando pensamos que se estamos gratos pela vida, estamos gratos por existirmos!! Infelizmente, não é bem assim!

Nós podemos agradecer por tudo que há ao nosso redor, mas, neste tudo, nem sempre estamos nós.

O QUE FAZEMOS ENTÃO?

Infelizmente, o que vemos hoje é que estamos nos voltando para dentro de nós somente quando:
  1. não aceitamos que ainda somos aprendizes e que cada um, inclusive nós, tem o tempo certo para apreender a lição ofertada pela vida;
  2. queremos apontar cada um dos nossos erros pessoais e dizer o quanto estamos decepcionados conosco por termos agido e produzido um resultado que não nos agradou;
  3. queremos nos condenar com o peso de todo o nosso rancor e, em razão de nossa ignorância, nos mantemos encarcerados dentro de nós sem termos nos dado a chance de um julgamento mais justo.

Então, massacrados e aprisionados cada vez mais, nos mostramos para o mundo externo como amantes de nós mesmos, mas, algozes pelas raias da loucura de tantas atrocidades que fazemos conosco.

A pergunta é: merecemos “ouvir” tudo isso?

Sei que estamos acostumados a raciocinar para darmos vazão aos necessários aprendizados que nos elevam, mas, existem momentos que precisaremos ir para o deserto e jejuar por quarenta dias. (Mateus 4:1-11)

Jesus, na sua forma incrível de ensinar, nos alertou também nessa passagem que todos nós precisamos nos possibilitar:
  1. o jejum dos pensamentos mundanos,
  2. o jejum das autocobranças,
  3. o jejum dos encarceramentos mentais,
  4. o jejum dos julgamentos insanos, etc...

É aí que entra o silêncio.

Jesus dizia: quem não tem pecado que atire a primeira pedra. (Jo 8:1-11)

Não há lição maior do que esta quando aplicamos tal ensinamento frente às nossas iniquidades, percebendo, portanto, que nós também podemos errar; percebendo, portanto, que, se nós também erramos, o alvo a quem Jesus se referia não era somente o outro, mas também nós mesmos, porque, por não sabermos tudo, ainda estamos “pecando” e “errando”, “pecando” e “buscando acertar”.

Não merecemos tanto peso no julgamento a que nos submetemos.

Nós, como juízes, precisamos nos silenciar para “escutar” as vozes que nos ajudarão a compreender a nossa natureza íntima e, principalmente, a natureza deste grande Universo que nos abriga.

Será pelo silêncio (que no início nos parecerá ensurdecedor) que “ouviremos” o que é realmente importante: a nossa voz interior. Uma voz de nossa essência, uma voz que está conectada a tudo e a todos e que nos ama e compreende.

Será pelo silêncio que nos daremos a chance de descansar a nossa mente de tantas cobranças e tantas batalhas contra nós mesmos, mas principalmente nos reconectarmos conosco.

Parece incoerente para vocês o que digo?

SILENCIAR OU FALAR

Se precisamos ficar em silêncio, como poderemos nos escutar?

Pensem comigo: se estivermos num show, com música alta, teremos condições de escutar quem está ao nosso lado?

Hoje, estamos todos neste show: vivemos num fluxo de atividades e tumulto mental de toda espécie que nos impedem de escutarmos o que é importante e quem está mais próximo de nós. Pioramos a situação quando, por adorarmos a música que nos cerca, não buscamos prestar atenção naquele que muito tem a compartilhar conosco, mas que não está tendo a chance de ser ouvido.

Precisamos nos silenciar para que escutemos quem realmente precisa se manifestar. Por vezes, será a nossa essência, outras vezes, o nosso Criador. E afirmo que precisamos nos silenciar porque nenhum deles falará, mas sim, “se” emanará. Sentiremos tudo isso, e tudo isso nos trará a certeza do quanto estamos amparados e prontos para enfrentarmos as experiências que nos farão maiores e melhores.

Como em uma preparação para o vestibular, entramos nos cursinhos que nos darão mais confiança daquilo que sabemos e nos darão mais embasamento para outras questões ainda não dominadas.

Devagar, pelo silêncio, nos refletiremos e, portanto, nos conheceremos melhor. 
Assim, teremos mais chances de um viver em paz conosco e um julgamento mais justo de nossa parte.

MAS, COMO FAZER ISSO?

Vou dar uma dica simples, mas outras muitas existem por aí.

Procurem um lugar tranquilo em seu ambiente material e, depois, em sua mente, onde vocês podem estar com alguém que é muito especial. Acreditem que este alguém tem muito a ensinar, mas que ele é educado e fala baixo. Por isso, há uma necessidade de fazer todos os outros e as outras coisas se calarem.

No início, parecerá impossível porque a nossa mente é expansiva e faladeira, mas devagar, vai se distanciando do que ela tem a lhe dizer; não se conecte com o turbilhão de assuntos que ela traz.

Logo no início, o silêncio não existirá em sua plenitude, mas poderá ser sentido (como uma paz interior) cada vez maior, mesmo com a nossa mente querendo fazer-se presente.

Sinta-se relaxado fisicamente e, parte a parte de seu corpo, vai tendo noção de sua existência através das sensações. Depois, quando todas as partes externas forem escaneadas, viaje para o seu mundo interno e deixe-se aconchegar nele.

Deixe-se ficar ali, como se flutuasse em uma rede na varanda, em um ambiente gostoso onde parece que só existe você, a natureza e Deus.

Não precisa temer imagens de onde você está. Se precisa delas, deixe-as ficar. 

Não precisa ser um momento longo. Poucos segundos dessa sensação consigo e com Deus dará você a certeza do quanto somos capazes de ir além e que tudo aqui é transitório, e que a vida é muito mais.

Nada precisa ser pronunciado, só sentido.

O silêncio de sua alma levará ao seu juiz interior tudo o que ele precisa para lhe conhecer melhor (sem escárnio, sem preconceito) e, com isso, lhe julgar com mais amorosidade concedendo-lhe a liberdade que necessita para enfrentar as novas experiências.

Postar um comentário

Deixa aqui o seu comentário que responderei assim que puder.
Abraços fraternos.

My Instagram

Copyright © Adriana Machado - Escritora. Made with by OddThemes