Vencendo o passado



Vocês têm a sensação de que estão enfrentando uma batalha diariamente? Por vezes, é assim que me sinto!

Todos os dias, acordamos com a sensação de que não podemos esmorecer, que não podemos nos deixar abater diante das experiências que já estamos vivendo ou das que iremos enfrentar. Todos os dias, já acordamos armados, buscando fôlego para não desanimarmos ante a falta de uma visão mais esperançosa, seja na nossa vida, seja na vida de outras pessoas que, indiretamente, tomamos conhecimento e nos influenciamos.

Comecei a sentir isso e percebi que a cada dia estava mais e mais cansada. A cada dia parecia que as minhas forças estavam se esvaindo... e eu não sabia para onde estavam indo!

Comecei a me entregar a uma sensação de abandono e impotência... e tenho de dizer que é horrível viver assim! Mas, não pensem que estava depressiva. Não! Eu estava bem... bem para conseguir flagrar esse processo em mim e me policiar para não descer mais fundo. E por esta razão, imagino o quão é arrebatador estarmos portadores da depressão. Não a desejo para ninguém e não critico quem está com dificuldade para superá-la.

De qualquer forma, como eu dizia, vendo-me entrar neste processo, precisei parar e ter coragem para descobrir o que estava “errado” em mim. Graças a Deus, achei e continuo achando algumas respostas e elas serviram e servirão como ferramentas imprescindíveis para a superação desta fase na minha vida. Afirmo que, tomando coragem e fazendo essa análise, cada um poderá achar as suas próprias respostas.[1]

Mas, o que seria esse momento, afinal de contas? Dentre tantas outras respostas, posso afirmar que é um período em que estamos vivendo o nosso presente tendo o nosso passado incompreendido como base.

Pode parecer óbvio e infalível o que acabei de dizer, afinal,

o presente sempre terá o passado como base,

mas precisamos fazer algumas ressalvas. Passado é passado e quando não o deixamos lá, principalmente nas experiências que não superamos, estaremos vivenciando no hoje:
  1. todos os traumas nele (passado) criados,
  2. todas as nossas crenças limitantes que construímos com os traumas, usando-as como se fossem as ferramentas certas, mas, na essência, sendo equivocadas para o nosso caminhar.

Diante dessa nossa ação, estaremos literalmente construindo uma vida sobre um terreno bem instável de areia fofa. A qualquer momento, sob qualquer tempestade, ela (construção) sucumbirá por falta de segurança ou fortaleza de nossa base.

Para não haver dúvidas sobre o que estou falando, quando afirmamos que o presente tem o passado como alicerce, não é o passado em si, mas todo entendimento que extraímos das experiências que já vivenciamos.

A base de nosso presente deve ser o aprendizado e não o resultado que extraímos das nossas vivências no ontem.

Dentre outras explicações, a sensação de fragilidade, de desgosto com a vida, são o resultado de nos perdemos em nossos medos e angústias que têm o seu foco nas experiências que vivenciamos, mas que com elas ainda não aprendemos toda a essência do que é necessário para o nosso caminhar seguro.

Assim, ouvimos muito sobre as posturas otimistas e espiritualizadas que devemos tomar para não sucumbirmos diante das dificuldades diárias que enfrentamos, mas, se não compreendermos que a nossa base está instável, continuaremos acrescentando mais peso sobre paredes que não aguentarão todo o peso nelas depositado.

Friso aqui que não estou dizendo que precisamos saber a origem de todo e qualquer trauma, mas sim que precisamos tornar segura a base, iniciando:
  1. por um processo de alimentar em nós a certeza de que cada experiência vivida é uma benção para o nosso crescer,
  2. que apesar das dificuldades, tudo passa e, com certeza, estaremos melhores amanhã,
  3. que nossas crenças deixarão de ser limitantes, ficando o passado no passado naquilo que ainda não temos condição de compreender,
  4. que não sabermos o que fazer faz parte de nossa elevação e não precisamos nos punir por isso,
  5. e, tentando colocar em prática todos os itens anteriores, nossos dias estarão mais sadios e leves porque essa será a nossa verdade.

Estaremos vencendo o passado quando, deixando-o nos influenciar no momento certo de cada vivência, ele depositará aos nossos pés os instrumentos com os quais antes já nos deparamos, mas, pela nossa falta de compreensão não os tínhamos entendido. Agora, no entanto, com o pouco do que já vivenciamos, poderemos melhor usá-los para a depuração de nosso ser.

Assim, o passado estará por nós e não contra nós.

Um viva para a nossa vitória!



[1] Não estou falando de casos em que a depressão já seja uma realidade. Para esse quadro, somente através de um acompanhamento profissional, associado ao enriquecimento espiritual, poderá auxiliar efetivamente na sua superação.

4 comentários :

  1. Perfeitas as colocações! Tenho passado por isso atualmente...é um exercício diário entender e enfrentar com coragem tudo o que a vida nos reserva. Livrar-nos do passado e das culpas é essencial para uma caminhada mais leve, sempre com o fico no presente! Paz e bem!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Beatriz! Concordo com você, mas somente faço uma colocação: não precisamos nos "livrar" do passado, mas entendê-lo em todas as suas lições. Se nos livrarmos dele, nada nos restará, nem os perfeitos ensinamentos que vêm dele. Abraços fraternos.

    ResponderExcluir
  3. Esse texto foi pra mim. O passado persegue-me o tempo inteiro e ainda hoje sinto-me em alerta o tempo inteiro para que ele não volte. Preciso aprender e refletir muito sobre esse tipo de situação. Pelo menos hoje posso dizer que estou tendo um pouco mais de leveza na minha vida, mas sinto que ainda tenho muito o que caminhar para livrar-me do passado. Sinceramente, sinto-me burro em não conseguir identificar aquilo que me incomoda.

    ResponderExcluir
  4. Olá, Henderson. Não se sinta burro porque senão teremos todos de nos colocar sob essa ótica (rsrs).
    Se ainda não identificamos o nosso progresso é porque falta-nos algo para o flagrarmos e vê-lo eficaz para impedir o retrocesso que tememos. Claro que podemos não desejar enxergar o novo, porque nos forçaríamos a empreender mudanças, a princípio, dolorosas. Mas temos as ferramentas e com as oportunidades que a vida nos traz, nos esclareceremos, sem dúvida.
    Acredite-se somente um viajante que, por temer o próximo destino, está se retardando o quanto pode para não enfrentá-lo.
    Paz e Luz!

    ResponderExcluir

Deixa aqui o seu comentário que responderei assim que puder.
Abraços fraternos.

My Instagram

Copyright © Adriana Machado - Escritora. Made with by OddThemes