A força do nosso pensamento


A Humanidade não tem conhecimento do poder que o pensamento possuiu. Por isso, em razão de não darmos o devido valor ao seu potencial, construímos tantas doenças em nós. Pelo pensamento equivocado, trazemos para nós o desconforto, as tristezas, as angústias, as insatisfações que provocam o desequilíbrio orgânico que causa as doenças físicas.
Nós somos filhos do Supremo Criador e temos em nós o Seu DNA que nos dá a capacidade de construir o que quisermos no nosso mundo interior e ao redor de nós.
Tal capacidade nos dá condições de, devagar, mas com consistência, trazer ao nosso mundo interior a harmonia ou a desarmonia. Sendo a primeira, não precisaremos nos preocupar, mas, vivenciando a segunda, devagar e ininterruptamente, esta produz os elementos intoxicantes que maculam a integridade dos nossos corpos físico e perispirítico. Assim, por meio do pensamento negativo, o segundo corpo é atingido primeiramente, contaminando o primeiro, nos infectando duplamente.
É importante notarmos, porém, que não é da noite para o dia que essa construção se dá. Levamos um tempo para adoecer sob essas condições e isso é uma dádiva da providência divina. Entretanto, da mesma forma que levamos tempo para nos adoecer, precisaremos também de tempo para nos curar, porque o processo de “ida e vinda” que utilizamos é o mesmo. O ponto crucial aqui é que não nos enxergamos adoecendo porque as nossas atitudes vinculadas ao pensamento destrutivo podem até nos incomodar, mas não são vistas como algo preocupante porque são embasadas nas crenças que carregamos. Assim, temos a falsa visão de que adoecemos rápido, o que não é verdade. Levamos anos neste processo de enfermidade e queremos, em dias, a cura de nossos males.
Para vivermos em harmonia e em paz, precisamos cultivar os pensamentos positivos para que não intoxiquemos o nosso templo físico com os vícios inerentes às nossas paixões.
Um bom exemplo é o de uma pessoa ansiosa. Ela leva anos impactando o seu corpo físico e emocional com os seus temores e pessimismo até que se vê em uma crise de pânico. A partir daí, naturalmente, tentará buscar compreender o que a levou a este estado de dor e, compreendo a causa, mudar a sua construção. Essa pessoa, no entanto, não tem condições de mudar radicalmente o seu comportamento, mas poderá, com determinação, conhecer-se para depurar os seus pensamentos e atitudes, atingindo no seu tempo individual a sua cura interior. Friso que, nos casos mais graves, como o que mencionamos, deve-se associar o tratamento psíquico espiritualizado (busca do autoconhecimento e pensamentos construtivos) com o tratamento médico especializado, porque o organismo já estaria intoxicado de tal forma que o doente se sentiria incapacitado de lutar contra a sua enfermidade.
No mais, não poluamos o nosso mundo com incertezas que enfraquecerão quem somos, que enfraquecerão a nossa fé em Deus.

Sejamos positivos sempre porque estaremos, assim, sendo construtores divinos de nossa própria felicidade e cura interior. 

4 comentários :

  1. Pensar positivo, ser otimista o tempo inteiro é um exercício diário, e ultimamente tem sido hercúleo, pois a situação atual que vivemos não ajuda muito. Porém, a única forma de mudar tudo isso é mudando a nossa forma de pensar. Que paradoxo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Henderson, realmente, não está fácil ser otimista, mas está aí a beleza das lições da vida: estarmos sempre em contato com aquilo que nos ensinará o que ainda não dominamos ou sabemos. Que nos esforcemos para mudar a nossa forma de pensar, sem exigências exacerbadas... só dentro de nossa capacidade de fazê-lo. Abraços.

      Excluir
  2. Pensar melhor...que exercicio dificil as vezes...mais vamos que vamos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, amigo Herbert! Que nos encorajemos para fazer o que precisamos para o nosso melhor crescer. "Vamos que vamos" significa que podemos fazer dentro de nossa madureza e capacidade. Abraços.

      Excluir

Deixa aqui o seu comentário que responderei assim que puder.
Abraços fraternos.

My Instagram

Copyright © Adriana Machado - Escritora. Made with by OddThemes