Viver... ato de confiar!

13:04 4 Comments A+ a-


Todos os dias, acordamos para mais uma experiência de vida.

Todos os dias, nos oportunizamos vivenciar circunstâncias que construímos através de nossas ações e escolhas, bem como circunstâncias que chegam sem nenhum aviso (pelo menos é o que a gente acredita), nos surpreendendo.  

É ao sair da cama que nos daremos a chance de vivenciar cada uma dessas experiências que vêm até nós para o nosso crescer.

Até o momento do acordar, estamos todos agindo da mesma forma. Mas, o que nos diferencia uns dos outros é como reagimos daí para frente, com cada uma dessas experiências.

Podemos viver, conscientemente, sabedores da nossa necessidade de absorção dos inúmeros aprendizados que a vida nos proporciona ou não. No primeiro caso, para cada experiência, uma consciência mais profunda do nosso próprio Eu; no segundo caso, uma vida inexpressiva de ausência de conquistas interiores, tendo só a inconsciência de nossa própria existência.

Para estarmos englobados no primeiro caso, precisamos entender que somos seres portadores de inúmeros aprendizados, mas não da totalidade dos aprendizados existente no universo. Mas, estes poucos que já conquistamos nos dão condições de “melhor” agirmos, apreendendo as novas lições que nos chegam e vivenciando, conscientemente, cada experiência, enxergando a atuação da sabedoria divina nos caminhos que nos cercam. Aí está a misericórdia do Pai Criador por nós.

Diante desta realidade, compreendemos o porquê reagirmos diferentemente uns dos outros, mesmo que as circunstâncias nos pareçam idênticas: cada um de nós possui uma gama vasta de aprendizados, mas nenhum de nós possuiu o mesmo cabedal de entendimentos. Vivenciamos muitas vidas e nelas aprendemos muita coisa. Porém, em cada uma, absorveremos os nossos aprendizados de uma forma muito particular, com a visão que temos das coisas, das pessoas, do mundo.

E, nessas vivências, construímos ferramentas (internas) que nos auxiliam a viver e enfrentar a vida em todo o seu enfoque, sejam para os momentos de adversidades ou de muita felicidade (porque para a Sabedoria Divina, não há diferença entre as duas situações). Essas ferramentas são uma somatória de nossas emoções e sentimentos, de nosso raciocínio e instintos, e as criamos e as utilizamos para nos ajudar a enfrentar aquilo que acreditamos nos massacrar a alma ou nos alegrar eternamente.

O ponto é que a maioria das ferramentas que construímos tem data de validade, porque ainda não temos entendimento suficiente para compreendermos o que é bom para nós. Por isso, ao nos deparamos com circunstâncias que tememos, criamos uma forma de defesa emocional que dará certo por um tempo, mas não todo o tempo. Ela caducará, porque não seremos mais os mesmos e necessitaremos de outras ferramentas melhor adequadas ao nosso novo ser em evolução. Um bom exemplo é enxergarmos que há poucos anos nossos instrumentos tecnológicos necessitavam de menos memória do que os que temos hoje. O que mudou foi o aperfeiçoamento dos programas e das exigências do mercado em relação aos mesmos. Nós também nos tornamos exigentes na absorção e atuação de nossos próximos entendimentos para que o nosso caminhar fique mais suave e sereno.

Cada uma dessas ferramentas nos demonstra quem estamos hoje e quais são os nossos maiores temores. Cada reação nossa, nos dá uma ideia do que precisamos lapidar em nós, porque, diante do nosso Eu, reagimos na defensiva para não esmorecermos em prol de nossa sobrevivência.

Precisamos entender que tudo o que vivemos está de acordo com o que programamos para a nossa lapidação pessoal e, portanto, esse tudo será um reflexo de nossas construções pessoais e da vida nos impulsionando para o nosso melhor aprendizado.

Diante disso, que possamos recepcionar o que a vida nos traz com a singeleza da confiança de que é Deus quem está atuando e que nenhuma dor será eterna porque, com Ele, nós a superaremos.

4 comentários

Write comentários
27 de abril de 2018 13:39 delete

Acho que o mais difícil é analisarmos a nós mesmos com base em cada reação que temos perante às situações do que realmente confiar que um novo dia traz esperança e novos aprendizados. Isso acaba sendo um paradoxo, porque o mais importante realmente é saber quem estamos nesse momento para poder fazer valer a confiança em dias melhores. Enfim, muitos aprendizados ainda são necessários. Abraços.

Reply
avatar
27 de abril de 2018 19:30 delete

Que não ignoremos uma coisa em detrimento à outra, Henderson. Façamos o que der, dia a dia, que, aos poucos, nos veremos aceitando quem somos, confiando na vida e sendo felizes.
Abraços fraternos.

Reply
avatar
Anônimo
AUTHOR
7 de maio de 2018 15:50 delete

Meus sentimentos e emoções quando acordo, sim trazem uma ideia de como estou, naquele momento. Algumas vezes já consigo confiar que o que me chega, mesmo doendo, é o que tenho no momento e que preciso controlar esses sentimentos e emoções, e não ser tão exigente comigo mesmo. São tantos aprendizados ainda não totalmente compreendidos, porém de muita utilidade para amenizar um pouco as dores e aumentar a confiança para continuar caminhando dia após dia, para compreender e melhor utilizar meus aprendizados perante o que a vida me traz.
Argeu

Reply
avatar
21 de maio de 2018 10:36 delete

É muito bom quando nos colocamos a analisar o nosso Eu, sem pressão, sem cobranças, só com a vontade sincera de crescimento e amor por nós mesmos. Não desanime, continue firme e forte em seu ideal. Abraços Argeu.

Reply
avatar