O outro na nossa vida

10:04 5 Comments A+ a-




Será que temos a exata noção de qual é o papel do outro em nossa vida? Sei que cada um de vocês terá uma resposta diferente para me dar... mas, acreditem, muitos mentirão para mim no primeiro momento!
Por quê? Porque muitos de nós não sabem qual é o seu papel na vida do outro, então, como afirmarmos qual seria a reciprocidade do outro para conosco?
Para aqueles que estão vivendo por viver, isso não é uma preocupação, mas pode ser um sofrimento, porque o fato de eu não saber o que faço, pode não tirar de mim as exigências que quero impor aos que me rodeiam. Então, posso querer um comportamento para comigo daqueles que estão na minha vida, mas não agir da mesma forma com eles, o que os levará a não aceitar as minhas atitudes.
De qualquer forma, este artigo está direcionado para aqueles que têm como proposta uma mudança de comportamento, uma visão mais aberta de seus próprios atos para que a conquista de uma vida mais harmonizada seja concretizada.
Assim, para aqueles que buscam a sua melhora íntima todos os dias, essa é uma vertente que não pode ser ignorada, porque já ouvimos um milhão de vezes a seguinte orientação de nosso Mestre Jesus: “Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam, assim fazei-o vós também a eles; porque esta é a lei e os profetas.” (in Mateus 7:12).
Há dois mil anos, o Nosso Senhor Jesus Cristo nos orientou que a melhor ferramenta que temos para agir com o próximo somos nós mesmos. Ele não disse que acertaríamos, mas percebemos que, dessa forma, seríamos autênticos e, possivelmente, mais bem compreendidos pelo outro em nossos equívocos.
Se o outro é alguém importante para nós (e sempre será porque senão não nos incomodaríamos com ele), precisamos dar o nosso melhor para que essa relação seja embasada em uma reciprocidade sadia.
Bem, mas qual é o seu papel na nossa existência? Verdadeiramente, de coadjuvante. Ele faz parte da nossa história de vida, mas não pode nunca nos substituir no papel principal da peça que estamos escrevendo. O ponto é que confundimos os personagens ou por temermos tamanha responsabilidade, tentamos nos colocar no papel secundário em nossa própria dramatização. Cada pessoa que está conosco tem um papel importante no palco de nossa história, mas ela só poderá atuar como protagonista em sua própria apresentação teatral.
Assim, ela, atuando conjuntamente conosco, nos mostrará o que é ser amado e o que é deixar de sê-lo; nos ajudará a aprender a enfrentar novas experiências ou mesmo fugir delas; a enxergá-las como benéficas ou não; a percebermos quem estamos, porque os sentimentos e as emoções surgem mais facilmente quando em contato com o nosso próximo; e muitas mais. No decorrer dessas nossas conquistas, descobriremos que tudo o que aprendemos com ela (com as suas ações e reações aos fatos da vida) ou por meio dela, ao final, somente a nós caberá resolver qual aprendizado abraçaremos. Mas, sem o outro, todo o processo seria mais difícil e bem mais lento.
O acaso não existe. Isso é um fato! Então, essas pessoas que entram em nossas vidas não o fazem por acaso. Todos temos um propósito divino. Precisamos compreender que, seja por um período prolongado ou curto, cada um de nós fará diferença na vida do outro, porque acrescentaremos ao outro e a nós mesmos ricas experiências que nos ajudarão a crescer.
Quem não tem vocação para a clausura, e foge do outro, teme viver e crescer, teme enfrentar a si mesmo.
Que possamos valorizar as relações pessoais para que com elas, cresçamos a passos largos nos mundos[1] em que vivemos.





[1] Ref. aos mundos interior e exterior onde habitamos.

5 comentários

Write comentários
23 de julho de 2017 23:57 delete

A verdade é que ninguém passa em nossas vidas por acaso. O outro sempre tem muito a nos ensinar, ou com exemplos (bons ou ruins), ou com palavras, ou mesmo sendo quem eles são. Achei importante ser salientado no texto que eles serão sempre coadjuvantes, pois na nossa vida o papel principal sempre será o nosso. Muitas vezes nos esquecemos disso. Obrigado por essa reflexão.

Reply
avatar
24 de julho de 2017 11:32 delete

Sou eu que agradeço as suas considerações, meu amigo!
Abraços fraternos.

Reply
avatar
25 de maio de 2018 22:10 delete

Adriana, obrigada por sua mensagem!
Sei que o acaso não existe, mas nas ultimas semanas estava me perguntando sobre a necessidade de conviver com aquelas pessoas que simplesmente "passam"... Por nossas vidas. E a última que "passou" pela minha, em poucas horas ficou encantado com a forma que eu ajudei as pessoas na emergência do hospital... Em alguns dias, me tornei "a pessoa da sua vida"... E depois por divergências religiosas... Uma pecadora de imensas proporções.
Eu percebi o quanto preciso crescer, no que tange o trato com "o meu próximo mais próximo" e que mesmo querendo, não podemos auxiliar ao outro, para respeitar sua vontade.
Ao final, não conversamos mais, porque a minha presença dispara em seus sentimentos, alguns gatilhos que o incomodam em sua jornada, mas, tudo isso mostrou a ele que precisava de auxilio profissional para lidar com os incômodos. Ao final, todos aprendemos!

Reply
avatar
14 de junho de 2018 11:02 delete

Olá Marília! Que bom que você está conseguindo colocar em prática as suas verdades. Não significa que elas não doam quando queremos que o resultado seja diferente, mas ante a coerência de nosso coração, aplicá-las nos traz paz para seguirmos em frente, perseverantes. Abraços fraternos.

Reply
avatar
19 de julho de 2018 09:12 delete

É.. somente percebemos isto qdo comecamos a nos perguntar para que?

Reply
avatar